1291 1470 1975 1479 1556 1840 1034 1289 1018 1611 1626 1962 1138 1644 1715 1952 1152 1088 1635 1352 1506 1791 1821 1875 1685 1786 1237 1875 1768 1196 1891 1005 1218 1478 1986 1155 1725 1850 1415 1866 1712 1727 1332 1833 1062 1476 1982 1050 1148 1585 1927 1150 1588 1291 1646 1706 1712 1417 1511 1871 1721 1934 1171 1797 1151 1709 1639 1475 1822 1595 1943 1548 1224 1102 1048 1533 1773 1027 1975 1939 1428 1683 1133 1086 1289 1775 1696 1650 1064 1777 1830 1015 1193 1408 1980 1465 1919 1739 1341 A Cidade - Prefeitura Municipal de Igaporã - Site Oficial
Manual de navegação logo

Manual de navegação

Acessibilidade logo

Acessibilidade

Fale conoscobat-papo

Fale conosco

  • *Campos obrigatórios
  • Ao iniciar um contato, você concorda com a Política de privacidade

  • ...Ou se preferir

  • Ligue para nós

    (77) 3460-1021 / 3460-1141

  • E-mail

    ascom.pref.iga@gmail.com

  • Ou seja atendido presencialmente

    Segunda à sexta-feira, das 08:00 às 12:00 e das 14:00 às 17:00 hs

    Pç Bernardo de Brito, 430, Centro

  • Outros meios de contato

Em conformidade com:

A CIDADE

Igaporã - Bahia

História de Igaporã

 

O município de Igaporã situado na região Sudoeste da Bahia está encostado na Chapada Diamantina. O município tem suas origens no lugar onde hoje está à casa de Pedra do Santo Antonio, construção criada pelo fidalgo Bernardo de Brito que para cá vieram com seus familiares. Em 1884, Igaporã foi elevado à categoria de Vila com a denominação de Bonito, sendo elevada à categoria de distrito em 1° de janeiro de 1944, por força do decreto de n° 12.978, passando a chamar-se Igaporã, que em Tupi-Guarani significa Água Bela. Em 30 de dezembro de 1954, Igaporã foi emancipada pela Lei 638 do Governo do estado da Bahia, sendo nomeado primeiro prefeito o Sr. Orozimbo Ribeiro, até que se foi feita a eleição, sendo eleito o Sr. Alípio Cardoso.

Em 07 de fevereiro de 1958 foi executado o mandato judicial do estado da Bahia, que considerou inconstitucional a criação do município, fazendo-o retornar como distrito, ao município de Caetité. Registra-se que, na época, o distrito de Pajéu do Vento não se conformou em pertencer a Igaporã e por meio de plebiscito, voltou a ser distrito de Caetité. Por força da Lei 2308 de 01 de setembro de 1960, é que restauraram a independência de Igaporã, devendo salientar a luta de Silêncio Fernandes, Manoel Azevedo, Dr. João Archanjo e José Antonio Fagundes, para que o município obtivesse êxito na sua separação com Caetité. Ficando assim considerada data oficial de emancipação do município o 1° de setembro de 1960, por força da lei n° 01/1985 de autoria do então vereador Lucílio Fagundes Neves.

Devemos destacar que a história política de Igaporã, desde a época sua condição de Vila até os dias atuais é marcada por uma forte e acirrada disputa política. Talvez uma das mais esquentada da região. Porém é importante destacar que o município tem ganhado com a escolha de seus representantes. A festa junina de São Pedro é hoje uma das maiores manifestações culturais da cidade. Ela é realizada entre os dias 27 a 29 de junho na Praça do Forró, com apresentação de artistas locais e de renome nacional. Além de quadrilhas, danças, barracas e artesanato do município. Para esta festa deslocam-se pessoas de várias regiões do estado, que vêm prestigiar o evento anualmente.

Temos ainda as festas religiosas de São Sebastião, Maria, e Nossa Senhora do Livramento, que são acompanhadas por centenas de fiéis que participam ativamente dos festejos. Estas festas mantém as características tradicionais dos nossos antepassados, preservando assim a nossa cultura. Um destaque histórico do nosso município são a Casa de Pedra da Fazenda Santo Antonio que segundo a história deu origem ao município; A Casa Grande da Praça da Igreja e A Igreja Matriz datada de 1871. Temos ainda outros aspectos históricos mais recentes como a Praça do Forró, o Centro de Cultura, que são o orgulho da nossa gente.

Associado a tudo isso, surgem aí os nossos artistas, sanfoneiros, repentistas, e ternos de reisado que sempre são bem colocados nos festivais que participam. Destacamos também como um patrimônio do nosso município, a professora Olver Vieira que quando em vida, com sua sabedoria ajudou a criar as primeiras escolas do município, bem como educar o seu povo, com muito amor e dedicação.

 

 

O que você achou da nossa página ?

  • Muito insatisfeito
  • Insatisfeito
  • Regular
  • Satisfeito
  • Muito satisfeito